Aos 14, eu conheci a garota mais linda da minha cidade. Aos 15, nós tivemos uma briga terrível e não nos falamos por 1 ano. Aos 16, reencontrei ela em um supermercado, 5 minutos de conversa e eu me vi apaixonado. Aos 17, eu comecei a namorar com a garota mais bonita da cidade. Aos 22, eu fiquei noivo da mulher mais linda do país. Aos 25, eu estava casado com a mulher mais linda do mundo. Aos 27, eu tive um filho com a mulher mais madura que já conheci. Aos 29, eu tive uma filha, a filha mais linda da cidade. Aos 40, eu fiz 15 anos de casado com a mulher mais interessante do universo. Aos 50, eu percebi que nunca tinha tido olhos para outra, nesse mesmo ano, eu percebi que eu era um homem realizado. Aos 60, eu vi a mulher mais linda do mundo continuar sendo a mulher mais interessante do universo. Aos 76, eu senti falta dessa mulher, a mulher mais incrível do mundo, agora só existia em fotografias. Aos 78, eu senti que não tinha mais vida sem ela; nesse mesmo ano, eu me entreguei para viver a eternidade ao lado dela, seja lá onde fosse.
Autor Desconhecido. 
Então ele olhou nos meus olhos e em um tom de brincadeira disse: “Sonha comigo”. Em um momento pensei em dizer: Eu sempre sonho. Que ridículo.
Opa, citar!
Se você não se importa, eu vou ali conversar com a saudade… Oferecer um café ou talvez um chá. Mas será que a loucura não gostaria de entrar e beber algo também? É… talvez eu esteja louca mesmo, ou tudo isso seja apenas a falta de você. Mas quer saber? Que se foda. Não importa mais, pois eu sei que a saudade vem e fica, ao contrario de você que veio e se foi. E a loucura me procura de vez em quando, ao contrario de você que nunca me procurou. Saudade com Loucura. Saucura. Talvez, agora, esse seja o nome do meu novo amor.
Opa, citar! 
A verdade é que eu não amo ninguém. Ou melhor, eu não estou amando ninguém. Talvez, esse seja o motivo de eu não sair por aí distribuindo “eu te amo” pra qualquer um. Eu tenho coração sim, afinal, eu preciso de um órgão para bombear o sangue. Desculpa o tom de ironia, não consigo evitar.
Querido John.   
É que a gente parece duas crianças. Um mais birrento do que o outro. Somos mimados, cheios de vontade. A gente briga, muito. A gente discute, se bate, se xinga e até dizemos que nos odiamos. Ah, se todo ódio fosse assim. Mas você acaba voltando pra mim e eu voltando pra você. É como se tivéssemos um imã. Um polo positivo atraído por um negativo. É a física. Até a natureza conspira ao nosso favor.
Querido John. 
Seja como for, ou como você queira. Saiba que, mesmo dessa minha forma errada sentirei saudades tua. Normalmente eu não encontro alguém assim como você, tão fácil de me adaptar. Por isso ultimamente tenho me entregado a mim mesmo com tanta frequência, deixo um vácuo de ausência na minha vida social e resolvo reencontrar-me. E nessas horas que eu preciso de alguém que segure minha mão, que me ajudei a me levantar e tenha a coragem de dizer “o mundo esta melhor aqui fora, saia um pouco dentro de si e veja como o dia está realmente incrível”.
Wilkeer Souza.   
Ela tem sérios problemas pra dormir, rola de um lado, rola de outro e não pega no sono de jeito nenhum. Ainda não sabe se sofre de insônia ou de lembranças.
400 Histórias para contar.
Confesso que me dá uma saudade irracional de você. E tenho vontade de voltar atrás, de ligar, de te dizer mil coisas, e cair em suas mãos, sem me importar com nada, simplesmente entregar-te meu coração. Mas não, renuncio, me controlo e digo para mim mesmo que não é assim, que não pode ser, que você se foi, e não volta.
Caio Fernando Abreu